Os ralos do nosso bolso

Bem amigos, para artigo dessa semana escolhi um tema muito importante para a nossa transformação de deficitários a superavitários e potenciais investidores, que são os ralos por onde escoam nosso dinheiro e muitas vezes nem percebemos.

Identificar esses ralos e fechá-los rapidamente é essencial para que possamos nos tornar ricos! Ricos sim, e lembrem-se da nossa definição de riqueza: Ter mais que o necessário para as nossas despesas e acumular patrimônio.

Todos nós temos aqueles pequenos hábitos de consumo que parecem inofensivos ao nosso bolso, e que costumamos justificar com frases do tipo “Eu mereço, pois trabalho muito.” ou “Não é essa ‘merreca’ que vai me fazer mais pobre.”, de certa forma, se você trabalha muito é claro que merece recompensas, mas se a “merreca” não lhe fará mais pobre, é muito provável que ela dificultará que você venha a ficar rico se for desprezada com frequência.

Vamos logo a um exemplo para ilustrar o que estou falando. Já que estou na Bahia vou usar algo bem nosso e comum por aqui:

Digamos que de segunda a sexta, ao sair do trabalho você tenha no bolso R$ 10,00. Ao chegar em casa, sempre passa na padaria da esquina e gasta R$ 3,00 com pão, e compra um acarajé e um refrigerante com os R$ 7,00 restantes. Veja como isso pode afetar o seu bolso ao longo do tempo (sem contar as gordurinhas a mais na cintura):

Por dia

R$ 7,00

Por semana

R$ 35,00

Por mês

R$ 157,50

Por ano

R$ 1.890,00

Em 10 anos

R$ 18.900,00

Em 20 anos

R$ 37.800,00

Corrigidos a uma taxa de 0,8% ao mês por 30 anos

R$ 329.808,86

 

Essa continha me faz lembrar uma piada recente que um amigo me contou:

 

Um amigo encontra o outro e iniciam uma conversa:

 

Amigo 1: – Você bebe?
Amigo 2:— Sim.
Amigo 1:— Quanto por dia?
Amigo 2:— 3 uísques.
Amigo 1:— Quanto paga por uísque?
Amigo 2:— Cerca de R$ 10,00.
Amigo 1:— Há quanto tempo você bebe?
Amigo 2:— 20 anos.
Amigo 1:— Um uísque por R$ 10,00 e você bebe 3 por dia, R$ 900,00 por mês e R$ 10.800 por ano. Certo?
Amigo 2:— Correto.
Amigo 1:— Se em um ano você gasta R$ 10.800, sem contar a inflação, em 20 anos você gastou R$ 216.000. Certo?
Amigo 2:— Correto.
Amigo 1:— Você sabia que esse dinheiro aplicado e corrigido com juros compostos durante 20 anos você poderia comprar uma Ferrari?
Amigo 2:— Verdade… Você bebe?
Amigo 1:— Não.
Amigo 2:— Então onde está a sua Ferrari?

 

É importante dizer que não estou propondo radicalismos ou sacrifícios desnecessários, mas a piada ajuda a entender a tabelinha lá em cima. A ideia é mostrar como muitas vezes nosso dinheiro vai embora e não nos damos conta de como isso acontece. O ideal é ter as recompensas sim, mas que sejam racionais até mesmo para que tenham o justo valor. Esse é apenas um exemplo de outros tantos hábitos que temos e que nos fazem perder oportunidades de acumular riqueza.

Sempre digo que não tropeçamos em montanhas, são as pedrinhas que nos derrubam. Não fazemos grandes compras, grandes gastos todos os dias, mas pequenas compras desnecessárias sempre estão ocorrendo, não é verdade?

Outra coisa que tenho que apontar, é que o simples fato de não gastar esse dinheiro dessa maneira, venha a lhe garantir riqueza em vinte anos, a piada mostra isso. É necessário ter muita disciplina e rigor para guardar esse dinheiro, e investi-lo bem.

Pague-se primeiro! Se deixar para aplicar o dinheiro que sobrar no final do mês, provavelmente não aplicará nada. Retire a parte de seus investimentos de seu salário assim que recebê-lo, isso vai garantir o seu futuro e o da sua família.

É hora de entrar em AÇÃO!

Rocpaurio Santos

Rocpáurio Santos é Diretor Acadêmico da Curriculum Treinamentos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.